Farto do rock’n’roll

Calma. O título é mais uma provocação do que qualquer outra coisa. Justamente por isso, retirei esse título do disco mais provocador do Ira!: Psicoacústica, lançado em 1988, e que recentemente adquiri em vinil remasterizado. A verdade é que eu amo o rock’n’roll mais do que muita coisa e, assim como você, acredito que ele seja muito mais do que música. O som, a maneira de se vestir, o jeito de pensar, as tatuagens, tudo isso devo ao estilo de vida que escolhi há mais de 20 anos.

Porém, sou e pretendo sempre ser contra qualquer tipo de radicalismo. O rock sempre foi libertário. Elvis causou tanta destruição quanto um tornado nas mentalidades tradicionalistas de sua época. Os Beatles arrastaram multidões como nunca se havia visto e depois causaram uma nova revolução ao elevar um som feito basicamente para adolescentes ao status de arte – ao que se seguiu toda a técnica do progressivo. O Heavy Metal veio criar uma nova estética. O punk veio apontar o dedo na cara do conservadorismo.

8e878cc1a9ca8eb2ca3b1068d5217d2b.jpgSó nesse início de história, que compreende dos anos 50 aos 70, percebemos o quanto o rock mudou, o quanto se dividiu em diversos estilos e também o quanto se renovou. Então, a pergunta que eu faço é: por que caralhos o público de rock hoje parece tão conservador?

Retomando meu título ali em cima, não estou farto do rock’n’roll. Estou farto desse bando de gente metida a donos da verdade, que vomitam regras a torto e a direito sobre o que devemos ou podemos ouvir. Gente, só parem, que tá ficando feio já. Repito: o rock sempre foi libertário. Como é possível então que um estilo que gritou palavras de ordem contra o autoritarismo possa ser tão autoritário? Isso não me entra na cabeça.

Outro dia vi alguém perguntando se fãs de Heavy Metal podem ouvir outros estilos ou isso seria trair o movimento. Meu, que movimento seria esse que tolhe a liberdade individual e determina o que você pode ou não ouvir? Definitivamente, acredito que você pode ouvir o que você quiser, seja o que for, porque, como Edgard Scandurra cantou, às vezes o que buscamos são “outros sons, outras batidas, outras pulsações”. Assim, se você ouve apenas um estilo e isso está bem pra você, ótimo. Entretanto, se esse som não for suficiente e você não estiver satisfeito, cara, vai atrás daquilo que te complete, sem culpa, porque ninguém, absolutamente ninguém, pode apontar o dedo na sua cara e te julgar por aquilo que você ouve.

O mundo já está cheio de gente chata julgando qualquer um por posicionamento político, religião, etnia e o caralho. Sinceramente, eu acharia lindo que isso não acontecesse no mundo do rock’n’roll.

Por mais que haja subdivisões, seria foda se o público se unisse para o fortalecimento de uma cena que está aí há décadas, seja em seu formato mais radiofônico, seja em suas vertentes menos acessíveis.3d20893b7ce5393cb620c6d8dd073a6b.jpg

Mas, claro, é muito mais fácil falar que o rock morreu e que não existem bandas boas na atualidade. Sim, meus irmãos, existem bandas boas – e muitas. Só resta a galera deixar de ser preguiçosa e ir procurar, ao invés de ficar esperando o rock voltar pro mainstream e ser explorado pelas grandes gravadoras. O underground está aí e não precisa crescer pra se provar. Vai buscar informação e cola nos rolês que sempre estão acontecendo que você vai ver. A cena hardcore está aí e, com manutenções e rupturas, parece mais forte do que nunca.

Concluindo essa conversa: não, eu não estou farto do rock’n’roll. Estou farto de gente que quer que o mundo funcione de acordo com suas próprias regras, assumindo a atitude mais anti-rock que pode existir. Então, menos dedos apontados e mais gente fazendo a cena acontecer. Paz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: