Vingadores: Guerra Infinita – crítica COM SPOILERS

SPOILER SPOILER SPOILER SPOILER SPOILER SPOILER SPOILER

Tem spoilers – você foi avisado!

 

No mínimo desde os anos 80, quando Frank Miller criou O cavaleiro das trevas e Allan Moore criou Watchmen, os quadrinhos de super-heróis deixaram de ser coisa de criança para se tornar algo muito maior. Hoje, esse tipo de entretenimento é consumido majoritariamente por adultos, muitos dos quais sonharam ver suas histórias preferidas transpostas para a tela dos cinemas. Em 2008, com a criação do Marvel Studios e a estreia de Homem de Ferro, esse sonho acabou se tornando realidade. O que nenhum de nós imaginava era a proporção que isso iria tomar dez anos depois, com a estreia de Guerra Infinita.

Quando afirmei, na nossa crítica sem spoilers, que esse era o filme mais corajoso da Marvel, o fiz por dois motivos: primeiro, porque depois de dezoito filmes, o estúdio decidiu apostar num longa cujo protagonista seria um vilão, que começou a despontar na cena pós-créditos de Vingadores, em 2012; segundo, porque o público se deparou com a morte da maioria dos heróis com quem vinha convivendo nos últimos dez anos.

Cabe aqui um aparte: embora grande parcela do público desse tipo de cinema seja composta por leitores de quadrinhos, há também aqueles que conheceram tais personagens apenas pelo cinema e aqueles que fazem parte de um público mais geral, que escolhe o filme a que assistir na hora. Para esses, pode ser chocante um filme com tantas mortes, o que representa um risco para os produtores. Já os fãs de quadrinhos sabem que, nesse universo, nenhuma morte é para sempre.

Dada a sua construção como personagem, Thanos é o maior vilão já apresentado no MCU. Embora Loki tenha um lugar garantido no coração dos fãs, o titã louco – com suas motivações e atitudes – acabou por superar a figura do irmão de Thor. Não por acaso, logo nas primeiras cenas do longa, ele mata Loki diante do irmão, imediatamente após vencer o Hulk, matar Heimdall e se apoderar da joia do Espaço. A partir daí, o espectador sabe que tudo pode acontecer.

Thanos 2Em sua jornada, Thanos – magistralmente encarnado por Josh Brolin – se revela como um vilão com um objetivo bastante claro: destruir metade do universo para que a outra metade possa viver em paz, devido à finitude dos recursos à disposição dos viventes. Ou seja: na mente doentia do titã, o genocídio é a solução de todos os problemas, e ele não vai medir esforços para isso. Não se trata, portanto, de um vilão sem sentimentos, cujo objetivo seria apenas o poder pelo poder. Ele está disposto a sacrifícios em nome de um bem maior, por mais absurdo que isso possa parecer para todo o resto do universo. Sua obstinação é tamanha que ele mata Gamora para conseguir a joia da Alma e ficar mais perto daquilo que procura. Gamora é, sem dúvida, sua filha mais querida, uma vez que ele chora sua morte, mas não demonstra qualquer emoção maior ao saber da morte do Fauce de Ébano e nem menciona as mortes de Cull Obsidian, Próxima Meia-Noite e Corvus Glaive.

Fica claro, no decorrer da narrativa, que a Ordem Negra foi incluída no filme apenas para enfrentar os heróis até a chegada de Thanos, já que seus membros não se desenvolvem, embora protagonizem duas das grandes cenas do longa: a volta do Capitão América (agora Nômade, de acordo com os irmãos Russo, embora esse nome nem seja mencionado  no filme), numa luta entre ele, Viúva Negra e Falcão contra Próxima Meia-Noite e Corvus Glaive, para salvar o Visão e a Feiticeira Escarlate; e o momento girl power do filme, quando Okoye e Viúva Negra se unem à Feiticeira Escarlate contra Próxima Meia-Noite.

Com a invasão do exército de Thanos a Wakanda, fica claro que a narrativa se aproxima de seu fim, ganhando um tom mais sério, numa batalha absurdamente grande, liderada pelo Pantera Negra e por Steve Rogers. Quando a luta se intensifica, a Feiticeira toma parte da luta e mostra o máximo de seu potencial já mostrado até agora, enquanto Shuri tenta criar meios de separar a joia da Alma da testa do Visão. Apesar desse momento, a Feiticeira não chega nem perto do poder de sua versão dos quadrinhos – o que eu gostaria muito de ver – e provavelmente não vai chegar, já que ela é uma das personagens que desaparece com o estalar de dedos de Thanos.

É claro que, num filme dessa magnitude e com essa quantidade de personagens, não haveria espaço para que todos eles se desenvolvessem da mesma forma, mesmo com suas mais de duas horas e meia. Mas ainda assim, alguns – como o Bucky, agora chamado de Lobo Branco – parecem estar lá apenas para cumprir tabela.

Destaque para o Homem-Aranha de Tom Holland, que, se não havia convencido alguém nas suas aparições em Guerra civil e no seu filme solo, agora não há do que reclamar. O herói é parte fundamental na batalha de Titã, além de protagonizar a morte mais comovente do filme.

Outro personagem que merece menção é Thor. Todo seu desenvolvimento em Ragnarok culmina aqui, quando ele chega à Terra para resolver a batalha de Wakanda e enfrentar Thanos com seu recém-criado Rompe-Tormentas. Sem o Homem de Ferro – que já havia sido derrotado em Titã – e sem o Hulk – que se recusava a lutar depois de ter sido derrotado na nave dos asgardianos –, restava a tarefa ao Deus do Trovão.

Capitã MarvelPorém, de nada adiantou, pois mesmo com o machado cravado no peito, Thanos estala os dedos dando fim a metade do universo. O filme termina com um gosto amargo, apesar de sabermos que tudo será remediado em Vingadores 4. Com a cena pós-créditos, fica claro que a solução ficará por conta da Capitã Marvel, cujo filme solo estreará pouco tempo antes da conclusão da saga de Thanos. Mas muita coisa ainda fica no ar. Entre os heróis que sobreviveram, estão os cinco Vingadores originais, além do Gavião Arqueiro, que não aparece em Guerra Infinita e provavelmente sobreviveu. O Homem-Formiga também não aparece e, segundo os irmãos Russo, terá importância fundamental na resolução dos problemas criados nesse filme (lembrando que Homem-Formiga e a Vespa estreia no dia 5 de julho). Além disso, não foi revelado se Wong está vivo ou morto, o que deixa uma incógnita sobre o Universo Místico e a função do Sancto Sanctorum nessa história toda.

Infelizmente, só teremos respostas em maio de 2019. Será que a gente aguenta até lá? Thanos will return.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: